Máquina do Hype #14

Hype 14
© Last Nights Party

Peças Novas

A língua é uma coisa complicada, já se sabe. Escrever e cantar noutra que não a nossa, ainda mais. E fazer com que isso pareça tão nosso e tão natural, é no mínimo surpreendente. É o que se pode dizer de Pájaro Sunrise, banda da qual fazem Pepe López e Yuri Méndez, que editaram um álbum homónimo, todo cantado em inglês, com dez canções que ficam a meio caminho entre a pop, o jazz e o country. Não será, apostamos nisso, o “disco da vida” de Saramago, mas que é uma boa estreia dos Pájaro, é. E pronto não muito mais a dizer, a não ser que o Yuri nunca viveu num país de língua inglesa, e o pouco inglês que sabe, garantiu, aprendeu a ouvir música. Estará o truque na pronúncia dele?! A minha resposta: I don’t have puta idea, but I like it muchísimo. Agora, saltem já para o Ruído e ouçam em Sunday Morning Birds (Singin Hallelujah).

Peças Soltas

Há muitas peças soltas, pertencem todas ao DJ argentino Villa Diamante, e juntas dão uma compilação de mash-ups: Bailando Se Entiende La Gente. Como o próprio diz, “manteniendo la ley básica del mashapero free download mp3“, o disco está todo aqui, totalmente à borla. Assim, sim.

Peças Usadas

Cantavam os Táxi que a música também é um produto acabado que “se prova, mastiga e deita fora, sem demora”. A verdade, é que sem o reconhecimento de uma terceira cultura, a tal “sociedade de consumo imediato”, os prazos de validade nunca tinham sido inventados e a Pop tinha menos graça. Isto, a propósito dos Tiny Dancers, banda de Sheffield, Inglaterra, com um nome “inspirado” num hit [Tiny Dancer, 1971] de Elton John e que editaram um álbum de estreia, Free Milk School, cheio de canções que emulam o som de Neil Young, Beatles, e sobretudo, Byrds. Tudo pastilhas elásticas mastigadas e cuspidas vezes sem conta, algumas com um prazo de validade mais do que ultrapassado, mas que mesmo assim continuam a agarrar-se aos dedos, e por muito estranho que possa parecer, às vezes voltam à boca e sabem bem. É o caso de algumas canções, em particular Baby Love e Hannah We Know, mas fica por saber se esta ruminação musical dos Tiny Dancers, como tantas outras, é cuspida cá para fora na hora certa. Mais ainda: se cola ou não à parede. Ou seja, o mercado. A resposta, sem demora e acertada, é daquelas que vale um milhão de euros. E para acabar, registem-se no site deles, onde há sempre músicas para download gratuito.

Medição e Ensaio de Peças

Não sei bem se são os murmúrios, se os gemidos ou ainda a batida cheia e quente, mas Hot Damn de K-Chico, retirado de When I Was Young, poderia ser muito bem a banda sonora deste Verão. Isto se houvesse Verão. Como não há, não se vê, não se sente, pelo menos podemos ouvi-lo em Hot Damn, que de resto também poderia muito bem servir de banda sonora para as fotografias do grande Merlin Bronques, livro aqui!, que ilustram quase todas as edições da Máquina. Agora, é só passar pelo iTunes e comprar o Verão segundo São K-Chico.

Os mais sorumbáticos sempre podem optar por Panayir [Carnavalesco], finalmente no circuito internacional, no qual o trio da pianista turca Ayşe Tütüncü, cruza com destreza o clássico e a improvisação jazzística. Ideal, portanto, para quem olha com apreensão os areais molhados pela chuva. Não há autorização para um MP3, mas há um vídeo, aqui.

E pronto, foi o Hype.

Ruído da Máquina

Sunday Morning Birds (Singin Hallelujah)
Lovemonk Records – 2007
Pájaro Sunrise

Hot Damn [Feat. Namosh]
When I Was Young
Festplatten – 2007

K-Chico

Nota: A minha Máquina do Hype é publicada todas as segundas-feiras.
Os MP3s desta edição são autorizados, expressamente e por escrito, pelo[s] respectivo[s] autores[s] e serão retirados em 24 horas.

3 pensamentos em “Máquina do Hype #14”

  1. é bom sim senhor. não acredito é que seja um espanhol a cantar em inglês, é humanamente impossível para um ser born and raised español.

Os comentários estão fechados.