Jordi Labanda

Um nada desleixado a vestir, Jordi Labanda está muito longe de ser a pessoa que imaginamos quando olhamos para as suas ilustrações de mulheres esguias, charmosas e a transbordar de bom gosto naquilo que vestem, as mesmas mulheres que lhe trouxeram clientes, fama e admiradores. Christian Lacroix e Mario Testino são dois incondicionais das mulheres de Labanda, ainda que nas ilustrações dele também apareçam homens de traços latinos e corpinho bem feito, demasiado convencidos do erotismo que uma camisa aberta até terceiro botão pode deixar escapar. Depois, depois disso há ainda as avós ternurentas e os miúdos marotos, a quem ninguém parece dar muita atenção.

Continuar a ler Jordi Labanda

Kathryn Laity

Licenciou-se em Estudos Internacionais, mas um gosto profundo pela literatura fantástica e línguas antigas levou-a a concluir em 1995 um mestrado em Estudos Medievais, estando hoje a preparar o seu doutoramento na Universidade do Connecticut com a dissertação Local Heroes: The Sociolinguistic Context for The Development of Vernacular Saint’s Lives in Old Irish. Uma dissertação centrada na vida e relatos de três santos Brigit, Óláf e Gu Thorn Lac, avaliando qual é a importância dos mesmos na literatura irlandesa, escandinava e inglesa durante a idade média. Por isso mesmo, não é surpreendente que Kathryn Laity escreva contos fantásticos, como The Willimantic Frogs, Sinkka Journeys North, Walpurgisnacht, A Gift House, Master of Terror’s House of Horror, The Eleventh Commandment, Another Metamorphosis, A Moral Tale About Obsession, Dream Forge e Revelation, com o qual ganharia o prémio MGM/United Artists/Clive Barker no Lord of Illusions Short Story Contest em Novembro de 1995. Publica também ensaios sobre bd e ilustração.

Texto publicado na revista Quadrado, Volume 3, Nº3, Maio de 2001.

Trina Robbins

Trina Robbins publicou pela primeira em 1966, foi uma das poucas mulheres, se não a única, a fazer bd alternativa com regularidade durante a década que se seguiu, sendo responsável por aquele que é considerado o primeiro comic totalmente feminino It Ain’t Me Baby de 1970. Não só é possuidora de um desenho a todos os níveis excepcional, como também é uma das melhores argumentistas de que há memória, irónica e subtil foi a primeira a tratar de temas como a homossexualidade feminina, a violação e o aborto. Destacam-se da sua longa bibliografia títulos como All Girl Thrills, Girl Fight, Wimmin’s Comix e WonderWomen. Na última década colocou de lado a bd, voltando-se para a ilustração e depois para escrita, o que a levou a desenvolver trabalhos dentro da história da banda desenhada, especializando-se no campo da bd feita por mulheres. Trabalho único, aturado e notável é hoje reconhecido não só como sendo um imenso contributo para a investigação, mas também como um legado precioso e insubstituível para todos.

Bibliografia [relativa apenas aos livros de história]:

From Girls to Grrlz : A History of Women’s Comics from Teens to Zines
Introdução de Carla Sinclair
Chronicle Books, 1999

The Great Women Superheroes
Kitchen Sink Press, 1996

A Century of Women Cartoonists
Trina Robbins, Kitchen Sink Press, 1993

Texto publicado na revista Quadrado, Volume 3, Nº3, Maio de 2001.

Charles Saatchi

Gary Hume, Julian Schnabel ou Damien Hirst, qualquer um serve, porque todos os contemporâneos vão dar a Charles Saatchi, cuja actividade como coleccionador de arte só é comparável à do americano William Hearst nos anos 40 e à do rei Charles I em Inglaterra, onde Saatchi é conhecido por Charles II.
Continuar a ler Charles Saatchi